Hoje, 19 de junho, é celebrado o Dia do Cinema Brasileiro. A data faz referência às primeiras imagens feitas no país por Alfonso Segreto (1875-1919) quando chegou ao Rio de Janeiro: “Uma vista da Baia de Guanabara” em 19 de junho de 1898.

O cinema é uma das mais importantes vertentes da cultura do país. Seu papel vai além do entretenimento e hoje é usado como ferramenta na luta por representatividade e no combate à discriminação. Além disso, é fundamental para a construção da história do país, por ensinar, evidenciar e mostrar o cotidiano do brasileiro nas telas. No cinema, toda cultura, gênero, etnia, orientação sexual, religião e outras vertentes humanas devem ter espaço e ser representadas com respeito.

“A arte é o mais significativo representante de um pais e de seu povo. Traduzo representatividade como a produção de conteúdo por todas as pessoas, independente de origem, cor, religião, classe social”, revela Douglas Machado, curador do Cinemas Teresina e diretor de cinema.

Os Cinemas Teresina, ao longo de anos, têm contribuído significativamente para divulgação e valorização do cinema nacional ao dar espaço para produções independentes de várias partes do Brasil. Filmes que abordam temas variados e bastante representativos do nosso país, têm espaço garantido no cinema.

“Isso se tornou nossa identidade, que é dar espaço para o cinema nacional das mais variadas produções e temas. Nós exibimos grandes blockbuster, mas também exibimos “Chuva é cantoria na aldeia dos mortos”, “Temporada”, “Bacurau” e muitos outros. Nossa contribuição é abrir espaço e manter esse espaço para todas as produções dos mais variados temas e tipos de direcionamentos ao público”, explica Douglas.

Para que essa valorização seja ainda mais eficiente, o curador ressalta que o público precisa contribuir frequentando o cinema e assistindo as produções nacionais, pois eles têm um papel importantíssimo e primordial nesse processo de dar mais espaço para os olhares de todo o país.

“O papel do público é frequentar o cinema e sobretudo assistir essas produções das mais diferentes regiões e representações. O público sempre pode creditar a força da cultura e representatividade quando ele frequenta e consome essas produções. A medida que ele vai para as Sessões com Debate, para Mostras e para ver esses filmes autorais, assinados com uma premissa cultural, ele sempre está participando e promovendo essa representatividade. Daí nossa preocupação de trazer filmes nacionais com temática da área política, cultural, questão de gênero, de raça e religião, para que o público possa estar presente e se sentir representado. E dentro disso não podemos esquecer da participação das produções do nosso estado, para o piauiense também se ver na tela”, finaliza.